A paz, se possível, mas a verdade, a qualquer preço!

Martinho Lutero

29/11/2007

RELIGIÃO NÃO! ESPIRITUALIDADE SIM!









Em Jerusalém um amigo judeu de muitos anos, que já foi meu guia, mas que se tornou amigo mesmo [ele meu e eu dele], me disse que pastores brasileiros chegam lá, e, uma vez indagados por mim, dizem, entre outras coisas, que eu deixei a “religião cristã”.
Meu amigo judeu então lhes diz:
“Mas ele nunca acreditou em religião. Ele apenas sempre creu em espiritualidade, não em religião. E a espiritualidade na qual ele crê não é a dos cristãos, mas sim a de Jesus”.
Ora, depois chegam lá os crentes tapados querendo “evangelizar judeus”, sem nem mesmo saberem fazer distinções básicas, as quais, para muitos deles, como meu amigo, são sutilizas essenciais, especialmente para quem, em nome da religião cristã, sofreu milênios pelo crime religioso de os judeus terem entregue Jesus aos romanos para que esses o executassem; crime esse que até hoje é discutido, o qual, no curso dos tempos, colocou os judeus sendo “judiados” pelos cristãos de todos os modos e formas possíveis, culminando no holocausto da II Guerra.
De fato, meu amigo está certo. Sou discípulo da espiritualidade de Jesus e de nada mais.
Não sou discípulo da espiritualidade de Paulo e nem de nenhum dos apóstolos, mas sim de Jesus, única e exclusivamente de Jesus. É a partir de Jesus que vejo o que é e o que não é sadio até na espiritualidade dos apóstolos.
Espiritualidade, conforme já tenho dito em muitos livros e textos meus, é aquilo que perpassa a vida, de modo integral, como espírito que qualifica todas as percepções, interpretações, atitudes, e decisões de uma pessoa.
Meu amigo judeu entendeu isto, e tem seu coração aberto para mim e para o Evangelho. Entretanto, muitos cristãos [a maioria], à semelhança dos judeus que perseguiam Paulo por ele ter deixado a “religião judaica”, insistem em não entender o óbvio, apenas porque a ruptura que está estabelecida, agora, já não é mais de livros, textos e de conceitos, mas prática e histórica; e é isto justamente o que os tem apavorado.
No início, ouviam e pensavam: “São os estrebuchos do falido, do caído, do homem sob os escombros!...”
Mas agora que vêem milhares e milhares, e até seus filhos, esposas e netos enxergando o que eles se negam a ver, então, dizem: “Este homem está corrompendo a religião!”
Então, os mesmos que me perseguem por aí, muitas vezes me escrevem cartas de apelo, implorando que eu “volte”, e que pare de criar essa “divisão”.
Que divisão? Sim! Eu quero saber! Qual foi a divisão que eu criei?
O Evangelho só é divisão para os que se perdem, pois, todo aquele que o ama e nele crê, esse, quando o ouve, deixa tudo e diz “amém” à verdade.
Assim, aproveito para informar aos que já sabem, mas não querem admitir que sabem, que o “Caminho da Graça” tem cultos, reuniões, ceia, batismos, ordenações conforme os dons, envia pessoas, sustenta pessoas, e anuncia a Palavra; e faz tudo isso sem ser um movimento da religião, mas sim da espiritualidade segundo Jesus.
Jesus pregava, orava com doentes e oprimidos, ensinava o evangelho e anunciava a chegada do Reino de Deus; além de acolher pessoas, andar com elas, reuni-las e fazerem-nas sentirem-se irmãs umas das outras, e, sobretudo, deixando a elas claro que o maior poder de testemunho que teriam neste mundo viria exclusivamente da capacidade que tivessem de amarem-se umas às outras — “para que o mundo creia”.
Quando [logo depois de minha conversão] deparei com as implicações de Jesus ter sido sumo sacerdote segundo a ordem de Melquizedeque, ato continuo toda e qualquer força que a religião desejasse ter sobre mim, morreu...
Quem crê que Jesus é Sumo Sacerdote segundo uma ordem que transcende a religião de Abraão, crê, daí para frente, não mais em religião, mas apenas em espiritualidade em Cristo, conforme o Evangelho.
O “Cristianismo” é um ente histórico poluído e pervertido demais para ter qualquer poder de influencia de sal na terra.
Insistir nas Cruzadas Cristãs contra o mundo pagão, é ainda pior do que pregar o Islã, por exemplo; pois, pregar uma religião em nome de Maomé é coisa humanamente simples de entender, mas fazer a mesma coisa com Jesus é blasfêmia contra o ser de Jesus.
Desse modo, tudo o que Jesus faz e ensina nos evangelhos é o que nos concerne, e, sobretudo, Seu modo de ser, pois, é da observação de Seu modo de ser e andar que se tem, segundo Ele, a chance de em vendo-o, ver-se também o Pai.
Assim, alegremente reduzo-me a Jesus, e aceito os limites da infinita liberdade, e as contenções do amor, e as cadeias do regozijo, e a impotência dos milagres, e a fraqueza de se enfrentar o inferno apenas com a Palavra.
Isto, hoje, todavia, é loucura para o Cristianismo e escândalo para os Evangélicos!
Mas para todo aquele que crê, esta é a Raiz de Vida que põe seu espigão no cerne mais profundo do discípulo, dando a ele a essencial alegria e gozo no enfrentamento das tribulações que virão sobre todos os habitantes da terra.

Nele,
Caio
27/11/07
Lago Norte
Brasília

SOL TV MUSIC APRESENTA: MICHAEL W. SMITH

video

27/11/2007

SOL TV - REV. MAX L.S - GERAÇÃO DE INCONFORMADOS!

MENSAGEM!

video

Do ponto do nada para o fim do nada!





Toda vez que a graça é colocada a mera especulação da filosofia, vejo que o nada para nada resultará, mesmo por que a filosofia é um esforço continuo para tentar preencher as indagações que nosso limite não consegue, parece ate castigo dos deuses gregos aos pobres imortais, uma imensa pedra que você tem que levar ao topo da montanha todos os dias, a pobre carente e limitada filosofia se resume nada mais do que meu ponto de vista, apartir dele cria-se uma linha que se estende através da mente, um amontoado de sub elementos que geram pequenos fragmentos e vão se juntando para se formar uma idéia que gera outra idéia. daí uma combinação que chamamos corrente filosófica, ate que outro individuo chega e passa pelo mesmo processo e derruba tal corrente, criando outra,partindo de um novo pressuposto.Deus não tem nada haver com isso,simplesmente por que ele não dar muitas explicações do que ele é, ele se revela e isso basta, mesmo por que na sua imensa plenitude e misericórdia ele permiti ao homem que se aproxime, mas não entenda e nem especule, por que ele quer que você confie e não questione, pule para o abismo sem olhar para o chão, a todo momento ele se revela dessa forma e antes do nada ele é permanente, o nada existe,mas Deus é permanente, o mito da queda é a melhor explicação para tudo isso,Deus disse ao homem...comei de tudo menos do fruto da árvore proibida, por que na realidade se tratava de um voto de confiança,ele queria que o homem entendesse que o elo que leva o homem ao descanso em Deus, era justamente isso,a confiança, mas ele preferiu ceder a tentação e se deixou levar pela insegurança da especulação, partindo daí ele quebra esse elo e tudo se desmorona, por que tudo que o Senhor quer, é que você confie e não especule!

Heuring Felix Motta

27/11/2007


26/11/2007

SOL TV - PETRA

video

ANDANDO NA GRAÇA










Amigos e queridos irmãos da graça do senhor Jesus,este blog tem a finalidade de mostrar através de textos e mensagens,o sentido puro da graça,espero que vocês gostem e entendam de fato o sentido pleno da verdadeira mensagem do cristo cruxificado,abraço...Heuring Felix

É proibido pensar e canção da Alvorada!














OS “CRISTÃOS” SÃO HOJE OS “JUDEUS” DO EVANGELHO!

O “Cristianismo” teve um papel tão danoso no curso da História que hoje, até os que não conhecem quase nada da história pregressa do Cristianismo, a avaliar pelos frutos que ele dá como fenômeno entre nós mesmos — caíram no cinismo.

Assim, não podendo deixar o “Cristianismo” por causa de uma suposta conexão entre Jesus e ele, incluem, todavia, Jesus e sua mensagem numa atitude morna decorrente do “Cristianismo”; e que faz a pessoa ficar indiferente quanto a compartilhar o Evangelho a um judeu, a um mulçumano ou a um novaeraino, pelo simples fato de que a religião cristã não oferece modelos que demonstrem a realidade de que o ensino de Jesus é crível e praticado em algum lugar-fenômeno do “Cristianismo”.

É por isso que se vêem pessoas que amam Jesus e sabem que Suas Palavras são espírito e vida, ainda assim, por falta de entendimento que o “Cristianismo” é uma coisa, de um lado, e que a fé em Jesus é outra coisa, de outro lado — ainda assim digam: “Se houver alguém de outra crença ao meu lado não falarei nada jamais, talvez, apenas, se muito indagado”.

Ora, entre a ação do “Cristianismo” de dominar os mundos para a “Igreja Cristã” e a ordem de Jesus de, em se indo..., anunciar a Palavra a todos, há um distancia estelar.

Eu, por exemplo, nada tenho a dizer acerca do “Cristianismo”, a menos que se esteja falando de um fenômeno histórico. E menos ainda tenho a dizer se o tema for religião. Sou mudo para a religião. Sou ateu da religião. Entretanto, se o assunto é vida, então, jamais consigo não falar do Evangelho de Jesus, primeiro para os “cristãos”, depois para os “judeus”, os “mulçumanos”, e todos os demais grupos.

Primeiro, porém, me animo a pregar aos “cristãos”, posto que em meio a todos sejam os mais enganados, visto que estão hoje para Jesus assim como os judeus dos dias de Jesus e Paulo estavam para a fé em Jesus e para os Discípulos do Evangelho.

Apenas para fazer pensar um pouco!

Nele, que ama a todos, mas que diz odiar ter Seu nome usado para o mal,

Caio

24/11/07

Lago Norte

Brasília

DF