A paz, se possível, mas a verdade, a qualquer preço!

Martinho Lutero

22/05/2012

Livro revela detalhes de guerra interna e escândalos dentro do governo central do Vaticano


 G.Noticias


Na última sexta-feira o jornal Il Corriere della Sera, publicou um resumo do livro “Sua Santidade, cartas secretas do Papa”. Escrito por Gianluigi Nuzzi, autor do best-seller “Vaticano SA”, sobre as finanças da Santa Sé, o livro é baseado em cartas confidenciais destinadas ao papa Bento XVI e ao seu secretário pessoal, Gerog Gaenswein, e descreve diversas manobras internas da liderança maior da Igreja Católica.

A obra, que foi lançada no sábado em toda a Itália, descreve manobras e confabulações dentro do Vaticano e inclui relatórios internos enviados para o Papa sobre políticos italianos como Silvio Berlusconi e o presidente da República Giorgio Napolitano.

De acordo com a folha.com, Nuzzi teve acesso, para a elaboração do livro, a centenas de documentos, incluindo alguns que levam o selo “Reservado”, que foram elaborados pela Secretaria de Estado, acredita-se que as fontes do escritor sejam funcionários dessa secretaria.

Resumindo o clima recente de guerra ocultada pelo poder dentro do governo central do Vaticano, a influente Cúria Romana, que minou a credibilidade da Igreja, as cartas secretas do Papa, tratam de assuntos sensíveis e polêmicos relacionados à Igreja Católica, como diretrizes para tratar de questões com o Estado italiano por ocasião da visita presidencial em 2009, e relatórios enviados para o Papa sobre escândalo sexual protagonizado pelo premiê italiano Silvio Berlusconi. As cartas tratam também do envolvimento de padres com pedofilia e escândalos sexuais.

Muitos acreditam que o livro é uma operação midiática para atacar o atual secretário de Estado, o cardeal Tarcisio Bertone, mão direita do Papa e número dois da Santa Sé, cujo nome está presente em muitos dos documentos.

Esse é considerado o maior vazamento de informações da história recente do Vaticano. Para investigar o vazamento, o Papa nomeou uma comissão de inquérito, em março passado, conhecidos como “Vatileaks”. Depois da nomeação dessa comissão, o jornalista afirma que não teve mais contato com o grupo que repassava tais cartas a ele.

Chamada por ele de “corvos” do Vaticano, Nuzzi afirma que essas pessoas lhe passaram os documentos entre “silêncios, longas esperas e precauções maníacas”.
Resto do Post

Pastor Franklin Graham afirma que “a Bíblia define claramente” casamento gay e aborto como coisas erradas




G.Noticias

O pastor Franklin Graham afirmou em recente artigo escrito para a revista “Decision” que Deus deixou orientações claras a respeito de assuntos como casamento gay e aborto.

Para Graham, nas próximas eleições presidenciais dos Estados Unidos, “não há lugar para o compromisso em simples questões morais como aborto e casamento homossexual. Deus nos deu a direção, bíblico claro que devemos seguir e obedecer”.

Segundo o pastor, “o aborto é errado. É o assassinato de crianças não nascidas, e nenhuma lei da terra e nenhuma plataforma do partido pode nunca legitimá-lo”, afirma. Franklin Graham diz ainda que o “ponto de inflamação moral” são as questões em torno da união de homossexuais: “a Bíblia claramente define o casamento como uma união entre um homem e uma mulher. Não há absolutamente nenhuma área cinzenta”, frisa.

-Como ministro do Evangelho de Jesus Cristo, creio que esta é uma questão inegociável – pontua Graham.
Sobre as eleições, o pastor entende que os candidatos precisam fazer propostas que acrescentem ao país como um todo: “Entendo que a nossa nação precisa de políticas construtivas, sábios para a economia, defesa nacional, energia e uma série de outras preocupações fundamentais. Minha vida se estende por 12 presidentes, alguns liberais e alguns conservadores. Eles abordaram esses temas com diferentes políticas”.

O artigo de Franklin Graham aborda a mensagem cristã como linha a ser seguida: “De fato, as Escrituras revelam que quando as pessoas renunciam a verdade de Deus para as mentiras de Satanás, eles se tornam cada vez mais imorais. As consequências são assustadoras”, e emenda citando Romanos 1:26,28: “Deus os entregou a paixões degradantes inclusive a homossexualidade, e os entregou a uma disposição mental reprovável”.
Resto do Post

“Preparado para o combate da Fé”




De: C.H.Spurgeon


Crer mais intensamente na Palavra de Deus
 
Pela graça de Deus firmamos o propósito de crer mais intensamente na Palavra de Deus. Há crença, e crenças. Você crê em todos seus irmãos aqui reunidos, mas em alguns deles tem uma confiança real visto que em uma hora de dificuldade, eles o ajudaram e provaram ser irmãos nascidos para a adversidade. Você tem certeza absoluta que pode confiar nestes, pois os testou pessoalmente. Você tinha fé antes, mas agora sente uma confiança superior, mais firme, mais segura. Creia no livro que foi inspirado do início ao fim. Creia em todo ele, completamente, com todas as forças de seu ser. Deixe que as verdades da Escritura se tornem os principais elementos de sua vida, as principais forças operantes em sua ação. Que os grandes relatos da história do evangelho sejam fatos tão reais e práticos como qualquer outro que encontra no ambiente doméstico ou no mundo lá fora, verdades tão vívidas quanto seu corpo presente, com suas dores e sofrimentos, seus apetites e alegrias. Se pudermos deixar a esfera de ficção e imaginação e entrar no mundo real, encontraremos um veio de poder que nos trará um grande tesouro de fortaleza. Assim, tornar-se “poderoso na Escritura” significa se tornar “poderoso por meio de Deus”.


Citar mais a Bíblia Sagrada

Também devemos decidir que vamos citar mais a Bíblia Sagrada. Os sermões devem estar cheios da Bíblia; adoçados, fortalecidos e santificados com a essência da Bíblia. A espécie de sermões que as pessoas precisam ouvir são os que brotam da Bíblia. Se não gostam de ouvi-los, essa é mais uma razão pela qual devem ser pregados para eles. O evangelho tem a singular faculdade de criar o gosto por ele. As pessoas que ouvem a Bíblia de verdade tornam-se amantes da Bíblia. A mera apresentação de textos em conjunto é uma maneira infeliz de fazer sermões; embora alguns o tenham tentado, e não duvido que Deus os tenha abençoado, uma vez que fizeram seu melhor. É muito melhor apresentar os textos, do que despejar os medíocres pensamentos pessoais em uma torrente estéril. Pelo menos, haverá algo sobre o que se pensar e para lembrar se a Palavra Santa for citada; caso contrário, pode não haver nada.

Contudo, os textos bíblicos não precisam ser apresentados em conjunto, eles devem ser apresentados de maneira adequada para trazer agudeza e sentido à mensagem. Eles são a força do sermão. Nossas palavras são meras bolinhas de papel se comparadas com o tiro de canhão da Palavra. A Escritura é a conclusão de tudo. Não há argumento depois que sabemos que “está escrito”. Para a maioria dos ouvintes, no coração e na consciência, o debate está terminado quando o Senhor fala. “Assim diz o SENHOR” é o fim de qualquer discussão para os cristãos; mesmo os iníquos não podem resistir à Escritura sem resistir ao Espírito que a escreveu. Para ser convincentes devemos falar biblicamente.

Pregar apenas a Palavra de Deus
 
Também estamos resolvidos a pregar apenas a Palavra de Deus. Em grande parte, a alienação das massas ao ouvir o evangelho se explica pelo triste fato de que nem sempre é o evangelho que ouvem quando se dirigem aos lugares de culto, e tudo o mais fracassa em fornecer o que suas almas precisam. Será que você nunca ouviu falar de um rei que fez uma série de grandes banquetes e convidou muitas pessoas, semana após semana? Ele tinha um bom número de servos encarregados de servir sua mesa; e, nos dias marcados, estes saíram e falaram com as pessoas. Mas, de alguma forma, depois de um tempo a maior parte das pessoas não vinha às festas. O número de convidados que comparecia era decrescente; a grande massa de cidadãos dava as costas aos banquetes. O rei indagou e descobriu que o alimento providenciado não parecia satisfazer os homens que vinham olhar os banquetes e, por isso, não vinham mais. Ele resolveu examinar pessoalmente as mesas e os alimentos servidos. Viu muita coisa fina e muitas peças expostas que não eram de seus armazéns. Olhou a comida e disse: “Mas o que é isso? Como esses pratos chegaram aqui? Não são do meu suprimento. Meus bois cevados foram mortos, mas não vejo carne de animais engordados, e sim carne dura de gado magro e faminto. Os ossos estão aqui, onde está a gordura e o tutano? O pão também é de má qualidade, onde está o meu que é feito do melhor trigo? O vinho está misturado com água, e a água não é de um poço limpo”.

Um dos presentes respondeu: “Ó rei, achamos que o povo estaria farto de tutano e gordura, assim lhes demos osso e cartilagem para pôr seus dentes à prova. Achamos também que estariam cansados do melhor pão branco, por isso assamos uns poucos em nossas casas, nos quais deixamos o farelo e a casca dos cereais. É opinião dos doutos que nosso alimento é mais adequado a esses tempos do que aquele que vossa majestade prescreveu há tanto tempo. Em relação aos vinhos com borra, o gosto dos homens não é esse na época atual; além disso, um líquido tão transparente como a água pura é uma bebida leve demais para homens que estão acostumados a beber do rio do Egito, cujo gosto é do barro que vem das montanhas da Lua”.

Assim, o rei entendeu porque as pessoas não vinham aos banquetes. Será que esse é o motivo pelo qual a casa de Deus tem se tornado tão desagradável para uma grande parcela da população? Creio que sim. Será que os servos do Senhor têm picado seus restos de miscelâneas e pequenas máculas para com isso fazer uma carne cozida para os milhões de fiéis, e, por isso, estes se afastam? Ouça o resto da minha parábola. O rei indignado exclamou: “Esvaziem as mesas!

 Joguem todo esse lixo para os cães. Tragam os barões da carne, mostrem minha comida real. Tirem essas bugigangas do salão e aquele pão adulterado da mesa e lancem fora a água do rio barrento”. Eles fizeram como o rei mandou, e se minha parábola estiver certa, logo houve um rumor pelas ruas de que verdadeiras delícias reais eram oferecidas ali, o povo encheu o palácio e o nome do rei tornou-se de grande excelência por toda terra. Vamos experimentar esse plano. Quem sabe logo estaremos nos regozijando em ver o banquete do Mestre cheio de hóspedes.

A certeza de sua inspiração
 
Portanto, estamos resolvidos a usar mais plenamente o que Deus providenciou para nós neste Livro, pois temos certeza de sua inspiração. Deixe-me repetir. TEMOS CERTEZA DE SUA INSPIRAÇÃO. Note que, com freqüência, os ataques são contra sua inspiração verbal. A forma escolhida é mero pretexto. Inspiração verbal é a forma verbal do assalto, mas o ataque está realmente apontado à própria inspiração. Você não tem de ler muito do ensaio antes de descobrir que a pessoa que começou a contestar a teoria de inspiração, nunca aceita por nenhum de nós, por fim revela as cartas que tem na mão, e essas cartas travam guerra contra a própria inspiração. Aí está o verdadeiro ponto. Não damos muita importância para qualquer teoria de inspiração: na verdade, não temos nenhuma. Para nós, a plena inspiração verbal da Santa Escritura é fato, não hipótese. É uma pena teorizar sobre um assunto que é profundamente misterioso e exige fé, não imaginação. Creia na inspiração da Escritura, e creia da maneira mais intensa. Você não crerá em uma inspiração mais verdadeira e mais plena do que a que existe de fato. Ninguém pode errar nessa direção, mesmo que haja possibilidade de erro. Se você adotar teorias que tiram um pedacinho aqui, negam autoridade a uma passagem ali, no fim não restará nenhuma inspiração merecedora desse nome.

Esse Livro é infalível
 
Se esse livro não for infalível, onde vamos encontrar infalibilidade? Já desistimos do Papa, pois ele já errou muitas vezes e de maneira terrível; mas em seu lugar não estabeleceremos um bando de papazinhos saídos há pouco da universidade. Esses revisores das Escrituras são infalíveis? É certo dizer que nossas Bíblias não estão corretas, mas que seus críticos estão? A prata antiga deve ser depreciada, mas a prata alemã que a substitui deve ser aceita a preço de ouro. Moleques que acabam de ler o último romance lançado querem corrigir os conceitos de seus pais, homens de peso e caráter. Doutrinas que produziram a geração mais piedosa que viveu na face da terra são refutadas e desprezadas como pura tolice.

Nada é tão odioso para essas criaturas como o que cheira a puritanismo. O narizinho de cada um desses homens se empina celestialmente ao ouvir o som da palavra “puritano”, embora seja verdade que se os puritanos estivessem aqui de novo, eles não ousariam tratá-los arrogantemente; pois quando estes lutavam, logo ficavam conhecidos como Ironsides, e seu líder dificilmente poderia ser chamado de tolo, mesmo por aqueles que o estigmatizavam como “tirano”. Cromwell e seu seguidores não eram pessoas de mente fraca, não é mesmo? Estranho que tenham sido louvados às alturas pelos mesmos homens que menosprezam seus verdadeiros sucessores, crentes na mesma fé. Mas onde se encontra a infalibilidade? “O abismo diz: ‘Em mim não está’” (Jó 28.14), contudo aqueles que não têm nenhuma profundidade querem que imaginemos que está neles ou esperam encontrá-la por meio da mudança perpétua.

Devemos crer agora que os eruditos possuem a infalibilidade? Ora, fazendeiro Smith, amanhã cedo, depois de ler sua Bíblia e se deleitar com suas promessas preciosas, você deve descer a rua para perguntar ao homem de erudição, lá na casa pastoral, se essa porção da Bíblia pertence à parte inspirada da Palavra ou se é de fonte duvidosa. É bom você saber se foi escrita pelo Isaías original ou pelo segundo dos “dois Obadias”. Toda possibilidade de certeza é transferida do homem espiritual para uma classe de pessoas cuja erudição é pretensiosa e nem mesmo simula espiritualidade.

Aos poucos ficamos tão cheios de dúvidas e críticas, que apenas uns poucos, mais profundos, saberão o que é ou não Bíblia e determinarão todo o resto para nós. Não tenho fé na misericórdia deles nem em sua precisão teórica: eles nos tirarão tudo que estimamos como mais precioso e orgulhar-se-ão desse ato cruel. Não suportaremos esse reinado de terror, pois ainda cremos que Deus se revela a inocentes bebês mais do que aos doutos e prudentes, além de estarmos plenamente confiantes de que nossa versão das Escrituras é suficiente para homens simples em todos os propósitos de vida, e de salvação e de religiosidade. Não desprezamos o saber, mas nunca diremos sobre a cultura ou a crítica: “Eis aí os seus deuses, ó Israel!” (Êx 32.4).

Você percebe por que os homens querem diminuir o grau de inspiração da Escritura Sagrada a uma quantidade infinitesimal? Porque para eles a verdade de Deus deve ser suplantada. Se você for a uma loja à noite para comprar alguns itens que dependem da cor e da textura, não seria melhor julgá-las à luz do dia? E, quando você entrar, se o comerciante diminui o lume ou tira o lampião, e depois lhe mostra a mercadoria, você fica desconfiado e conclui que ele quer lhe vender um artigo inferior. Tenho mais do que suspeita de que esse é o joguinho dos depreciadores da inspiração bíblica. Sempre que uma pessoa começa a baixar a visão que você tem sobre a inspiração, ela tem uma segunda intenção, um truque que não pode ser feito na claridade. Ele alega ser uma sessão de espíritos maus e pede: “Diminuam a luz”. Nós, irmãos, estamos dispostos a atribuir à Palavra de Deus toda a inspiração que lhe possa ser atribuída e, corajosamente, dizemos que se nossa pregação não está de acordo com essa Palavra é por que não há luz nenhuma em nossa pregação. Queremos ser experimentados e testados por isso de todas as maneiras e contamos com os mais nobres de nossos ouvintes, aqueles que examinam as Escrituras diariamente, para ver se as coisas são assim, mas não nos sujeitamos nem por um momento àqueles que depreciam a inspiração.

Ouço alguém dizer: “Mas você precisa se sujeitar às conclusões da ciência, não é?”. Ninguém está mais pronto do que nós para aceitar osfatos evidentes da ciência. Mas o que você quer dizer com ciência? Essa coisa chamada “ciência” é infalível? Será que o nome ciência não é utilizado de forma enganosa? A história da ignorância humana que se denomina a si mesma “filosofia” é absolutamente idêntica à história dos tolos, exceto quando se desvia para loucura. Se outro Erasmo surgisse e escrevesse a história da tolice, ele deveria dedicar vários capítulos à filosofia e à ciência, e esses capítulos seriam mais reveladores do que quaisquer outros. Eu mesmo não ouso dizer que, no geral, os filósofos e cientistas são tolos; mas permitiria que falassem uns dos outros, e no fim eu diria: “Senhores, vocês são menos elogiosos um em relação ao outro do que eu teria sido”.

Deixaria os sábios de cada geração falarem da geração que os antecedeu, ou hoje cada metade de uma geração poderia falar da meia-geração anterior, pois pouca teoria da ciência de hoje sobreviverá por vinte anos e menos ainda verá o século XX. Agora viajamos em tão rápida velocidade que passamos por conjuntos de hipóteses científicas tão depressa como passamos por postes de telégrafo quando viajamos em um trem expresso. Tudo de que estamos certos hoje é o seguinte: aquilo de que os doutos tinham certeza há poucos anos está agora jogado no limbo do esquecimento de erros descartados. Eu creio na ciência, mas não naquilo que é chamado “ciência”. Nenhum fato provado na natureza é oposto à revelação. Não podemos reconciliar com a Bíblia as bonitas especulações dos pretensiosos, e não o faríamos se pudéssemos.

Sinto-me como o homem que disse: “Posso entender em algum grau como esses grandes homens descobriram o peso das estrelas, a distância que têm uma da outra e até como, pelo espectroscópio, descobriram de que materiais são compostas; mas não posso adivinhar como descobriram seus nomes”. Apenas isso. A parte fantasiosa da ciência, tão valorizada por tantos, é o que não aceitamos. Essa é a parte importante para muitos–aquela parte que é mera adivinhação, pela qual lutam com unhas e dentes. A mitologia da ciência é tão falsa como a dos pagãos, mas é assim que se faz um deus. Repito, os fatos da ciência nunca estão em conflito com as verdades da Sagrada Escritura, mas as deduções extraídas desses fatos e as invenções classificadas como fatos são opostas à Escritura, e isso por que necessariamente o que é mentira não concorda com a verdade.

Dois tipos de indivíduos têm forjado grande dano, contudo, nenhum desses deve ser considerado como juiz no assunto: ambos são desqualificados. É essencial que um juiz conheça os dois lados da questão, e nenhum destes tem esse conhecimento. O primeiro é o cientista sem religião. O que ele sabe sobre religião? O que pode saber? Ele está fora de lugar quando a pergunta é: a ciência concorda com a religião? Obviamente, aquele que pode responder essa pergunta precisa conhecer os dois lados da questão. O segundo é um homem melhor, mas capaz de causar mais dano ainda. Refiro-me ao cristão não-cientista que se preocupará em conciliar a Bíblia com a ciência. É melhor que ele deixe isso de lado e não comece seu conserto. O erro foi cometido por homens que ao tentar resolver uma dificuldade distorceram a Bíblia ou a ciência. Essa solução logo foi considerada errônea, e depois ouvimos os clamores de que a Escritura foi derrotada.
Nada disso; de forma alguma. Isso não passa de um comentário inútil que foi removido como um verniz inútil. Eis aí, um bom irmão escreve um tremendo livro para provar que os seis dias da criação representam seis grandes períodos geológicos e mostra como as camadas geológicas, e os organismos delas, seguem a ordem da história da criação de Gênesis. Pode ser assim ou não, mas se depois de pouco tempo qualquer pessoa mostrar que as camadas não estão em tal ordem, qual seria minha resposta? Eu diria que a Bíblia nunca ensinou que estão nessa ordem. A Bíblia diz: “No princípio Deus criou os céus e a terra” (Gn 1.1). Isso deixa qualquer espaço de tempo para as eras de fogo e períodos de gelo e tudo isso antes do estabelecimento da presente era do homem.

Depois, chegamos aos seis dias em que o Senhor fez os céus e a terra e descansou no sétimo. Nada é dito sobre longos períodos de tempo, ao contrário, “a tarde e a manhã; esse foi o primeiro dia” (Gn 1.5), e “a tarde e a manhã; esse foi o segundo dia” (Gn 1.8); e assim por diante. Não apresento nenhuma teoria, simplesmente digo que se o grande livro de nosso amigo é todo lorota, a Bíblia não é responsável por isso. É verdade que sua teoria parece ter suporte no paralelismo que descobre entre a vida orgânica das eras e aquela dos sete dias, mas isso pode ser explicado pelo fato de que Deus geralmente segue uma certa ordem, quer opere em longos quer em curtos períodos. Não sei e não me importo tanto com a questão; mas devo dizer, se você derruba uma explicação não pode imaginar que prejudicou a verdade bíblica, que lhe pareceu exigir uma explicação: você só queimou as estacas de madeira, com as quais homens bem intencionados pensavam proteger um forte invencível que não precisava de tal defesa.

No geral, é melhor deixarmos a dificuldade como está, em vez de criar outra dificuldade com nossa teoria. Por que fazer um segundo furo na chaleira para remendar o primeiro? Especialmente, quando o primeiro furo não está lá e não precisa de nenhum remendo. Creia, não há muita coisa provada na ciência. Não precisa temer que sua fé seja sobrecarregada. Assim, creia em tudo que está dito claramente na Palavra de Deus, quer seja provada por evidência exterior quer não. Nenhuma prova é necessária quando Deus fala. Se ele o disse, isso é prova suficiente.

Mas nos ensinam que devemos desistir de parte de nossa teologia antiquada para salvar o restante. Viajamos em uma carruagem pelas estepes da Rússia. Os cavalos são impulsionados furiosamente, mas os lobos se aproximam! Você não vê seus olhos de fogo? O perigo é iminente. O que fazer? Propõe-se que joguemos uma criança ou duas. Até que comam a criança, já teremos ganhado um pouco de distância, mas o que faremos se nos alcançarem de novo? Ora, bravo homem, jogue fora sua esposa! ’O homem dará tudo que tem por sua vida’; lance fora quase toda a verdade na esperança de salvar uma. Jogue fora a inspiração, e deixe que os críticos a devorem. Jogue fora a eleição e todo o velho calvinismo; faremos uma festa caprichada para os lobos, e os senhores que sagazmente nos aconselharam ficarão felizes ao ver as doutrinas da graça arrancadas uma por uma. Lance fora a depravação natural, o castigo eterno e a eficácia da oração. A carruagem ficou bem leve. Agora, mais uma coisa para jogar fora. Imole o grande sacrifício! Acabe com a expiação!

Irmãos, esse conselho é vil, assassino; escaparemos desses lobos com tudo ou estaremos perdidos com tudo. Deve ser “a verdade, toda a verdade e nada além da verdade”, ou nada. Nunca tentaremos salvar metade da verdade, lançando fora qualquer parte dela. O “sábio” conselho que nos foi dado envolve trair Deus e desapontar a nós mesmos. Ficaremos firmes, ou tudo ou nada. Dizem que se desistirmos de alguma coisa, os adversários também desistirão de algo, mas não nos importa o que eles farão, pois não temos nem um pouco de medo deles. Eles não são os conquistadores imperiais que pensam ser. Não exigimos clemência pela insignificância deles.

Temos o pensamento do guerreiro a quem ofereceram presentes para comprá-lo e a quem disseram que se aceitasse tanto ouro ou território, ele poderia voltar para casa em triunfo e se gloriar no ganho fácil. Mas ele disse: “Os gregos não dão valor a concessões. Encontram glória não em presentes, mas em espólio”. Com a espada do Espírito manteremos toda a verdade como nossa e não aceitaremos parte dela como concessão dos inimigos de Deus. Manteremos a verdade de Deus como a verdade de Deus, e não a reteremos por que a mente filosófica permite fazer isso. Se os cientistas concordam que creiamos em uma parte da Bíblia, não os agradeceremos por nada: já cremos nela quer queiram quer não. O consentimento deles não tem mais conseqüência para nossa fé que a permissão de um francês para que um inglês defenda Londres, ou que o consentimento da toupeira para que a águia tenha uma visão perspicaz. Deus estando conosco, não cessaremos esse gloriar, manteremos toda a verdade revelada até o fim.

Mas agora, irmãos, apesar de manter essa primeira parte de meu tema, talvez longa demais, eu lhes digo que crendo nisso, aceitamos a obrigação de pregar tudo que está na Palavra de Deus até onde vemos. Não queremos esquecer voluntaria-mente qualquer porção da revelação de Deus, pois queremos poder dizer no final: “Não deixamos de lhes transmitir todo conselho de Deus”. Que mal pode haver em se deixar de fora qualquer porção da verdade ou acrescentar um elemento alheio a ela! Todos os homens bons concordarão quando digo que a adição do batismo infantil à Palavra de Deus–, pois certamente não está lá–é um perigo. Regeneração batismal anda nos ombros do pedobatismo. Agora falo do que conheço.

Tenho recebido cartas de missionários, não-batistas, mas weslianos e congregacionais que me têm dito: “Depois que estive aqui (não mencionarei as localidades para não pôr os bons homens em dificuldades) encontramos um grupo de pessoas, filhos de ex-convertidos, que foram batizados e, por isso, são chamados de cristãos; mas não são nem um pouquinho melhores do que os pagãos a sua volta. Parecem pensar que são cristãos por causa de seu batismo, mas, ao mesmo tempo, sendo considerados cristãos pelos pagãos, sua vida má é escândalo perpétuo e uma terrível pedra de tropeço”. Em muitos casos, isso deve ser verdade. Uso o fato apenas como ilustração.

Mas supondo que seja algum outro erro inventado ou alguma grande verdade negligenciada, acabará por produzir o mal. No caso das terríveis verdades que conhecemos como “o terror do SENHOR” (2Cr 14.14), sua omissão produz os mais tristes resultados. Um homem bom que não aceitamos que esteja ministrando exatamente a verdade sobre esse assunto sério, não obstante, tem muito fielmente escrito para os jornais repetidas vezes, dizendo que a grande fraqueza do púlpito moderno é ignorar a justiça de Deus e o castigo do pecado. Seu testemunho é verdadeiro, e o mal que ele aponta é incalculavelmente grande. Não se pode omitir essa parte da verdade que é tão obscura e solene, sem enfraquecer a força de todas as outras verdades que pregamos. Você rouba o brilho e a importância premente das verdades que tratam da salvação da ira vindoura.

Irmãos, não omitam nada. Tenham ousadia suficiente para pregar a verdade indigesta e impopular. O mal que fazemos acrescentando ou tirando da Palavra do Senhor pode não acontecer em nossos dias; mas se chegar à maturidade em outra geração seremos igualmente culpados. Não duvido que, mais tarde, a omissão de certas verdades pela igreja primitiva levou a sério erro, enquanto certas adições na forma de ritos e cerimônias, que pareceram bastante inocentes em si, levaram ao ritualismo e depois à grande apostasia do romanismo! Tenham muito cuidado. Não passem uma polegada além da linha da Escritura, e não fiquem uma polegada aquém dela.

Conservem-se na linha reta da Palavra de Deus, até onde o Espírito Santo lhe ensinou e não retenham nada que ele lhe tenha revelado. Não seja tão ousado a ponto de abolir as duas ordenanças que o Senhor Jesus estabeleceu, embora alguns tenham se aventurado nessa grave presunção; nem exagere aquelas ordenanças em canais inevitáveis de graça, como supersticiosamente outros têm feito. Mantenha-se na revelação do Espírito. Lembre-se, você terá que prestar contas e não será com alegria se tiver brincado falsamente com a verdade de Deus. Lembre a história de Gilipo, a quem Lisandro confiou sacos de ouro para levar às autoridades da cidade. Os sacos estavam amarrados e lacrados, Gilipo achou que se cortasse a parte de baixo dos sacos poderia tirar uma parte das moedas, depois costurar o fundo de novo, assim os lacres não seriam quebrados e ninguém suspeitaria que o ouro fora tirado. Para seu horror e surpresa, havia um papel em cada saco declarando quanto deveria conter, e assim ele foi descoberto.

A Palavra de Deus tem cláusulas auto-verificadoras, de modo que você não pode sumir com uma parte dela, sem que o restante do texto o acuse e sentencie. Como você responderá “naquele dia” se tiver acrescentado ou tirado da Palavra do Senhor? Não estou aqui para decidir o que você deve considerar ser a verdade de Deus; mas seja o que você julgar que seja, pregue-a toda, definitiva e claramente. Se formos igualmente honestos, diretos, e tementes a Deus, não devemos discordar em muita coisa. O caminho para alcançar a paz não é o da ocultação de convicções, e sim o da expressão honesta delas no poder do Espírito Santo.

Pregar tudo que está na Palavra de Deus, de modo definido e distinto
 
Mais uma palavra. Aceitamos a obrigação de pregar tudo que está na Palavra de Deus, de modo definido e distinto. Será que não há muitas pessoas que pregam sem significado claro, manuseando a Palavra de Deus de maneira enganosa? Você freqüenta o ministério deles durante anos e não sabe no que crêem. Ouvi falar de certo pastor cauteloso, a quem um ouvinte perguntou: “Qual é sua visão da expiação?”. E ele respondeu: “Meu caro senhor, justamente isso, eu nunca contei a ninguém, e não vou dizer agora”. Essa é uma estranha condição moral para a mente de um pregador do evangelho. Temo que ele não seja o único que tem esse tipo de relutância. Dizem que eles consomem sua própria fumaça, isto é, guardam suas dúvidas para o consumo caseiro. Muitos não ousam dizer no púlpito o que dizem sub rosâ (em particular) em uma reunião particular de pastores. Isso é honesto?

Temo que aconteça com alguns o mesmo que se deu com um professor de uma cidade do sul dos Estados Unidos. Um grande professor negro antigo, Jasper, ensinara seus alunos que o mundo é plano como uma panqueca, e que o sol o circula todos os dias. Não tivemos essa parte de seu ensino, mas certas pessoas sim, e um deles foi com seu filho até o professor e perguntou: “Você ensina às crianças que o mundo é redondo ou plano?”. O professor cautelosamente respondeu: “Sim”. O indagador ficou confuso, mas pediu uma resposta mais clara: “Você ensina seus alunos que o mundo é redondo ou que é plano?”. A resposta do professor estado-unidense foi: “Isso depende da opinião dos pais”. Desconfio que mesmo na Grã-Bretanha, em alguns poucos casos, muito depende da tendência do diácono principal, ou do contribuinte principal ou do jovem de ouro da congregação. Se isso acontece, o crime é repugnante.

Mas se por essa ou qualquer outra razão ensinamos com língua dissimulada, o resultado é extremamente prejudicial. Ouso citar aqui uma história que ouvi de um amado irmão. Um pedinte bateu à porta da casa de um pastor para conseguir dinheiro com ele. O bom homem não gostou muito da aparência do pedinte e lhe disse: “Eu não me interesso por seu caso e não vejo nenhuma razão especial por que você deva vir a mim”. O pedinte respondeu: “Estou certo que você me ajudaria se soubesse que grande benefício tenho recebido de seu ministério abençoado”. O pastor retrucou: “E qual foi?”. O pedinte respondeu: “Ora, senhor, quando eu primeiro vim ouvi-lo não ligava nem para Deus nem para demônio, mas agora, sob seu abençoado ministério, passei a amar os dois“. Que maravilha se por causa da fala volúvel de alguns homens, as pessoas viessem a amar tanto a verdade como a mentira! As pessoas dirão: “Gostamos dessa doutrina e da outra também”. O fato é que gostariam de qualquer coisa caso um enganador esperto pusesse isso plausivelmente diante deles. Admirariam Moisés e Aarão, mas não diriam uma palavra contra Janes e Jambres.

Não nos uniremos à confederação que parece visar tal compreensão. Precisamos pregar o evangelho de modo tão distinto que as pessoas saibam o que estamos pregando. “Se a trombeta não emitir um som claro, quem se preparará para a batalha?” (1Co 14.8). Não confunda seu povo com falas duvidosas. Alguém disse: “Bem, eu tive uma idéia nova um dia desses. Não a expandi; joguei-a fora!”. Essa é uma coisa boa para fazer com a maioria de suas idéias novas. Lance-as fora, sim, de qualquer maneira, mas veja onde você está quando o faz; porque se você lançá-las do púlpito, podem acertar alguém e ferir a fé da pessoa. Lance fora suas idéias, mas primeiro navegue sozinho em um barco por mais de um quilômetro mar adentro. Depois que você tiver jogado ali suas cruas bagatelas, deixe-as com os peixes.

Hoje, temos a nossa volta uma classe de homens que pregam Cristo e até o evangelho, mas depois eles pregam muitas outras coisas que não são verdade e assim destroem todo o bem que entregam e levam os homens ao erro. Eles querem ser classificados como “evangélicos” e, na verdade, são antievangélicos. Olhe bem para esses senhores. Ouvi dizer que uma raposa, quando acossada de perto pelos cães sabe fingir que é um deles e corre com a matilha. Isso é o que certos homens visam hoje: as raposas querem passar por cães. Mas no caso da raposa, seu cheiro forte a trai, e os cães logo a descobrem, do mesmo modo, o cheiro da doutrina falsa não é facilmente ocultado, e a presa não a segue por muito tempo. Há ministros que é difícil saber se são cães ou raposas; mas todos os homens devem saber de que espécie somos ao longo de nossa vida e não ter dúvida em relação àquilo que cremos e ensinamos. Não hesitemos em falar nas palavras mais robustas que possamos encontrar e nas sentenças mais claras que pudermos formar aquilo que mantemos como verdade fundamental.

Assim, disse tudo isso e ainda estou no primeiro tema, portanto, os outros dois precisam ocupar menos tempo, embora eu julgue que sejam de primeira importância.
FONTE: Shedd Publicações
Resto do Post

10/05/2012

Jornalista da Veja acusa Edir Macedo de fraudar a teologia e o jornalismo !


Por Leiliane Roberta Lopes -

O jornalista Reinaldo Azevedo, colunista da Veja, escreveu mais uma vez em seu blog comentando sobre líderes religiosos. Mas dessa vez ele acusou Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus e presidente da Rede Record de fraudar a teologia e o jornalismo.

As palavras vieram por uma indignação, Azevedo ficou perplexo ao ver que a Record acusou um jornalista da revista Veja de ter como suas fontes o empresário Carlinhos Cachoeira e seus funcionários. O que seria comum no jornalismo investigativo foi usado pela emissora do bispo como se o profissional estivesse envolvido no esquema fraudulento.

Lembrando que a emissora é controlada por Macedo e também comprada e sustentada pelos dinheiros dos fiéis da IURD, Reinaldo Azevedo usou duras palavras para reverter as acusações ao líder religioso.

“Macedo impõe ao jornalismo o mesmo padrão e rigor teórico com que leva adiante em sua teologia. Este é aquele senhor que recorre a uma passagem do Eclesiastes para justificar o aborto, por exemplo. Também é aquele líder religioso que aparece num vídeo, com um chicote na mão, para expulsar o demônio do corpo de um homossexual. Se faz isso com a religião, por que faria diferente no jornalismo?”.

Questionando a moral do bispo, o jornalista compara todos esses fatos com a reportagem que acusa o jornalista da Veja dizendo: “Quando se leva ao ar aquela montagem asquerosa tentando incriminar o jornalista da VEJA — que só fazia o seu trabalho —, estamos diante de uma fraude jornalística. Porque a tudo isso preside o mesmo padrão moral”.

O jornalista da Veja também falou contra a revista Carta Capital que tem ligações com a esquerda e também contra os motivos políticos de Edir Macedo, que além de controlar a Igreja Universal e a Rede Record, também tem influência sobre o Partido Republicano Brasileiro (PRB). Confira o texto na íntegra aqui.


Fonte:http://noticias.gospelprime.com.br/jornalista-da-veja-acusa-edir-macedo-de-fraudar-a-teologia-e-o-jornalismo/#ixzz1uUSIS8BH

08/05/2012

Grupo de igreja batista é detido por orar em frente à Casa Branca



Traduzido e adaptado de Ocregister.com




Quando o ativista chinês Chen Guangcheng fugiu da prisão domiciliar algumas semanas atrás, e chegou até a embaixada americana, a maior parte da imprensa mundial noticiou que a façanha era incrível por ele ser cego. Pouca, ou nenhuma atenção foi dada ao fato de que os motivos de sua prisão foram ele ser um ativista contra os abortos feitos pelo governo e declarar-se cristão.

Na última quinta-feira, um grupo de membros da Igreja Batista do Sul de Buena Park, Califórnia, viajou até a capital Washington. Seu objetivo era participar do Dia Nacional de Oração, celebrado nos EUA, bem como participar da Conferência de Oração mensal do Congresso norte-americano.

No dia seguinte, eles separaram um momento especial de intercessão pela vida de Chen, que agora busca sair da China por meios legais. Mas acabaram sendo presos por isso.

O pastor Wiley Drake, que liderava o grupo afirmou durante uma entrevista por telefone no sábado: “Vamos voltar a Washington. Eu vou voltar para a Casa Branca e orar ali novamente”.
Drake disse que ele, o pastor Pat Mahoney e três mulheres de sua igreja estavam ajoelhados ao lado da cerca do jardim da Casa Branca, orando, quando agentes de segurança chegaram.

Eles os interromperam e disseram que deveriam sair, pois não era permitido ficarem naquele local. Mesmo dizendo que estavam ali para orar, Drake, Mahoney, Gwyn Epeppard, 56, Tina Whittington, 37, e Sarah Maher, 23, foram presos.

“Nosso sentimento é que, em comparação ao que Chen Guangcheng sofreu na cadeia… o que fizemos foi o mínimo comparado ao sacrifício dele”, disse Drake. Ele diz esperar que o presidente Barack Obama e a Secretária de Estado, Hillary Clinton, concedam asilo político a Guangcheng.

Mesmo tendo ficado algumas horas preso, Drake insiste: “Nós não acreditamos ter violado qualquer lei”. O caso de Chen segue sem uma resposta final. Ele foi levado ao Hospital Chaoyang em Pequim, para o tratamento de uma lesão sofrida no pé durante sua fuga, onde permanece internado.

Inicialmente, ele dizia que desejava permanecer na China para estudar Direito, e um acordo entre Washington e Pequim levou à sua liberação. Porém, depois de ser internado em um hospital, ele mudou de ideia, dizendo-se ameaçado, e passou a solicitar autorização para se radicar nos EUA, onde também tem convite para estudar.




Fonte:http://noticias.gospelprime.com.br/grupo-de-igreja-batista-e-detido-por-orar-em-frente-a-casa-branca/#ixzz1uKXfaCko

05/05/2012

População cristã “é a mais perseguida no mundo”, diz especialista sobre liberdade religiosa








Em um evento sobre a crescente perseguição religiosa no mundo, o Doutor Carl Moeller, chefe de um grupo de liberdade religiosa evangélica na Califórnia, afirmou que os cristãos são “os mais perseguidos no mundo”. No anúncio feito na quinta-feira, a organização sem fins lucrativos disse que o cristianismo é a religião mais perseguida no planeta com base em informações.

Carl havia citado em discurso no ano passado no Fórum Pew sobre Religião e estudo da Vida Pública, que 70% da população mundial vive em um ambiente religiosamente intolerante e 32% vivenciou um aumento na hostilidade religiosa em nível social ou governamental.

“Em termos de números absolutos, o grande tamanho das populações cristãs ao redor do mundo, onde são reprimidos ou restritos… Se você contar mártires, mortos, ou contar com aqueles que vivem em regimes, consideráveis ​​populações cristãs vivem sob restrições extremas em lugares como a China, Indonésia, e claro, Oriente Médio “, disse Carl.

Ele também observa que a maior deturpação religiosa intencionalmente é praticada pelo islamismo, agravada pelo analfabetismo e a pobreza. Para os dados, ele utilizou metodologias das organizações Portas Abertas e Pesquisa Pew.

No discurso, Carl falou sobre os problemas com os cristãos no Egito, Síria, Iraque e Nigéria, citando o recente ataque terrorista do grupo islâmico Boko Haram. “O que todos nós temos em comum é que estamos interessados ​​em combater o que chamamos de um flagelo crescente de repressão da liberdade religiosa”.

Um antigo projeto no senado americano, conhecido com SB 1245, se aprovado, criaria um “enviado especial” para as minorias religiosas no Oriente Médio e sudeste da Ásia.

“Eu acredito que existem pessoas de boa vontade de fé de todas as crenças religiosas de todo o mundo, capaz de entender os tipos de coisas que estávamos falando aqui hoje. O músculo moral dos Estados Unidos pode ser usado para salvar milhões de vidas da opressão, prisão e até da morte”, finaliza Carl.

Fonte: Gospel+

04/05/2012

LINGUAS ESTRANHAS DA CARNE E DA INFANTILIDADE!




Publicado por Andando na graça -

Fonte:consta informações do livro e de outros autores, ''Os Carismáticos'' do Rev.John Macarthur-


Em números cada vez maiores, muitos dos que professam a Cristo estão abraçando o que veio a ser conhecido como "Movimento Carismático". Esse movimento enfatiza o falar e pregar em línguas, juntamente com profecia e outros dons espirituais que são claramente apresentados e tratados pelo apóstolo Paulo em sua Primeira Epístola aos Coríntios. Que esses dons existiram e foram usados na igreja cristã primitiva é algo indiscutível e queremos deixar isso bem claro desde o início. No entanto, o ponto que queremos explorar é: eles ainda são válidos hoje? O que dizem as Escrituras?

O assunto geral dos dons espirituais é mencionado pela primeira vez pelo apóstolo Paulo em Romanos 12, mas é discutido em maiores detalhes em 1 Coríntios 14. E o que está sendo negligenciado por um grande número de irmãos hoje são as razões específicas para Paulo escrever à igreja dos coríntios. Essa era, sem dúvida, a igreja mais carnal mencionada na Palavra de Deus e precisou de pelo menos duas epístolas (alguns eruditos dizem que teriam sido três) de Paulo para corrigir seus erros! Mas, a despeito da sua carnalidade e abusos, o Espírito Santo tinha abençoado aqueles irmãos em tal medida que Paulo disse: "de maneira que nenhum dom vos falta" [1 Coríntios 1:7]. Em outras palavras, eles tinham tantos dons quanto qualquer outra igreja daqueles dias. Ao estudarmos atentamente o que Paulo teve a lhes dizer, torna-se prontamente aparente que muitos eram culpados de terem usado de forma inapropriada seus dons específicos — especialmente o dom das línguas. O fato da carnalidade deles é firmemente estabelecido no capítulo 3, em que lemos:

"E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo. Com leite vos criei, e não com carne, porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora podeis, porque ainda sois carnais; pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois porventura carnais, e não andais segundo os homens?" [1 Coríntios 3:1-3].

Portanto, vemos que toda essa epístola foi necessária devido aos excessos carnais por parte da igreja dos coríntios e é "leite" espiritual, em vez de "carne", ou alimento sólido. Tenha esse fato em mente, ao passarmos pelo Biotônico e pela Emulsão, juntamente com as cenouras, ervilhas e espinafres do ensino de Paulo nessa epístola!

No capítulo 12, Paulo começa a expor o assunto dos dons espirituais e, nessa exposição, enfatiza repetidamente (pois as crianças precisam da repetição para aprender de forma adequada) que o maior de todos os dons é a capacidade dada pelo Espírito Santo para a pregação da Palavra (capítulo 14, verso 5 — a ser discutido em detalhes posteriormente). Então, começando no verso 7 do capítulo 12, ele relaciona os dons em termos gerais e cada vez que faz isso, é sempre na ordem decrescente de sua importância relativa. Portanto, vamos começar com o verso 6 para colocar tudo em seu devido contexto:

"E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil. Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; e a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar; e a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas. Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer." [1 Coríntios 12:6-11].
Em seguida, Paulo reitera esse mesmo tema a partir do verso 28:

"E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas. Porventura são todos apóstolos? são todos profetas? são todos doutores? são todos operadores de milagres? Têm todos o dom de curar? falam todos diversas línguas? interpretam todos? Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho mais excelente." [1 Coríntios 12:28-31].

Observe que Paulo novamente relaciona esses dons na ordem decrescente de importância, com o verso 31 dizendo claramente que alguns são maiores ou melhores do que outros — com as línguas e sua interpretação sempre citadas no fim. No verso 30 ele faz perguntas com relação ao fato se todos na igreja possuíam esses dons —e a construção gramatical no original em grego sugere a resposta negativa em todos os casos. Portanto, aqueles que insistem que todos os crentes precisam exibir o dom das línguas como prova de sua salvação estão redondamente enganados!

Em seguida, a partir do verso 1 do capítulo 14, Paulo começa a contrastar a importância dos dons e precisamos considerar tudo o que ele tem a dizer (particularmente sobre as línguas) sem tirar nada do seu contexto:

"Segui o amor, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar. Porque o que fala em língua desconhecida não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala mistérios. Mas o que profetiza fala aos homens, para edificação, exortação e consolação.

O que fala em língua desconhecida edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja. E eu quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis; porque o que profetiza é maior do que o que fala em línguas, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação. E agora, irmãos, se eu for ter convosco falando em línguas, que vos aproveitaria, se não vos falasse ou por meio da revelação, ou da ciência, ou da profecia, ou da doutrina? Da mesma sorte, se as coisas inanimadas, que fazem som, seja flauta, seja cítara, não formarem sons distintos, como se conhecerá o que se toca com a flauta ou com a cítara? Porque, se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a batalha? Assim também vós, se com a língua não pronunciardes palavras bem inteligíveis, como se entenderá o que se diz? porque estareis como que falando ao ar. Há, por exemplo, tanta espécie de vozes no mundo, e nenhuma delas é sem significação. Mas, se eu ignorar o sentido da voz, serei bárbaro para aquele a quem falo, e o que fala será bárbaro para mim.

Assim também vós, como desejais dons espirituais, procurai abundar neles, para edificação da igreja. Por isso, o que fala em língua desconhecida, ore para que a possa interpretar. Porque, se eu orar em língua desconhecida, o meu espírito ora bem, mas o meu entendimento fica sem fruto. Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento. De outra maneira, se tu bendisseres com o espírito, como dirá o que ocupa o lugar de indouto, o Amém, sobre a tua ação de graças, visto que não sabe o que dizes? Porque realmente tu dás bem as graças, mas o outro não é edificado.


Dou graças ao meu Deus, porque falo mais línguas do que vós todos. Todavia eu antes quero falar na igreja cinco palavras na minha própria inteligência, para que possa também instruir os outros, do que dez mil palavras em língua desconhecida. Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia, e adultos no entendimento. Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor. De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis. Se, pois, toda a igreja se congregar num lugar, e todos falarem em línguas, e entrarem indoutos ou infiéis, não dirão porventura que estais loucos?" [1 Coríntios 14:1-24; ênfase adicionada].

O primeiro comentário que queremos fazer refere-se à definição da Bíblia Amplificada sobre o dom da profecia, com a qual concordamos plenamente. Ela diz: "pregação e ensino inspirado, a interpretação da vontade e do propósito divino":

--------------- NÃO DEIXE DE LER ESTA PARTE, POIS É MUITO IMPORTANTE!!!! ---------------
Quando Paulo escreveu essas palavras, o Novo Testamento ainda não existia como um documento escrito e concluído. Quando os pregadores, cheios do Espírito Santo, pregavam — essa mensagem era a própria Palavra de Deus, pregada pelo próprio Espírito Santo. Isso pode ser verificado em 2 Pedro 1:21, em que lemos:

"Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo."

2 Timóteo 3:16 acrescenta:
"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça."

Portanto, o que precisamos compreender é que o dom da profecia implica em anunciar a Palavra de Deus às pessoas que não tinham o benefício de uma Bíblia pessoal, por meio de homens que tinham poucas Escrituras do Antigo Testamento à sua disposição, se é que tinham alguma! O Espírito Santo estava falando diretamente aos homens. O dom das línguas era uma extensão disso, pois aqueles que tinham esse dom podiam pregar em um idioma que nunca haviam estudado. A coisa interessante sobre o dom das línguas era que muito freqüentemente, a pessoa que exercia esse dom não compreendia o que estava dizendo! É por isso que Paulo lhes disse para buscarem o dom da interpretação (14:13; citado anteriormente). A palavra "língua" ou "línguas" é no grego glossa (o significado exato é incerto, mas provavelmente refere-se à língua física) e indiretamente refere-se às línguas, como algumas vezes usamos hoje (por exemplo, dizemos: "O português é nossa língua materna"). Isso fica fortemente inferido pelo que encontramos em Atos 2, quando falar em línguas estranhas começou no dia de Pentecostes. Judeus provenientes de muitos países diferentes estavam em Jerusalém por ocasião da festa, e quando Pedro e os outros, sob o controle do Espírito Santo, começaram a pregar para eles em sua própria língua nativa, lemos o seguinte:
"E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! não são galileus todos esses homens que estão falando? Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos?" [Atos 2:7-8].

Portanto, a partir disso, é bem claro que o dom das línguas envolvia a pregação sobrenatural em idioma estrangeiro.

No entanto, muita confusão tem aparecido a respeito dos comentários em 1 Coríntios 14:2 e 14:4 sobre aqueles que falam em línguas não falarem aos homens, mas a Deus — que o dom edifica aquele que o exerce (verso 4) — como se esse dom fosse limitado a algum tipo de êxtase celestial durante a oração do indivíduo a Deus. Uma limitação, ou dualidade de significado, simplesmente não pode ser o caso, pois a mesma palavra grega glossa é usada tanto em Atos 2 quanto em 1 Coríntios. Como a narrativa em Atos nos diz sem qualquer dúvida que os judeus estrangeiros compreenderam o que estava sendo dito, precisamos buscar alguma outra explicação para essa passagem em particular. Assim, tomado no contexto em que é dada — isto é, Paulo falando aos crentes coríntios sobre a igreja deles — qualquer pessoa que falasse em um idioma estrangeiro para eles não seria compreendida e somente o próprio orador seria edificado. A edificação pessoal tinha um sentido de sarcasmo dirigido àqueles que estavam abusando desse dom. O verso 9 reitera a futilidade de falar sem que a igreja compreendesse e o verso 10 enfatiza o fato que aquilo que é dito constitui língua estranha.

Em resumo, esse extenso ensino de Paulo foi obviamente motivado pelos excessos carnais daqueles que possuíam o dom e o usavam de um modo inadequado, sem sabedoria. Aparentemente, estar sob a influência do Espírito Santo era uma experiência maravilhosa e podia ser controlada pelo indivíduo. Em outras palavras, ele podia "sentir-se bem" tão freqüentemente quanto desejasse e por quanto tempo quisesse. O controle do indivíduo é firmemente estabelecido pelo verso 32, que diz:

"E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas." [1 Coríntios 14:32].
Assim, com a natureza humana carnal sendo como é, os excessos e abusos aconteceram. Os coríntios eram mais carnais do que a maioria e Paulo precisou corrigi-los.
Mas, e hoje? Que razões poderíamos ter para dizer que esses dons não são mais válidos? Bem, se voltarmos um capítulo, Paulo responde a essa pergunta no Capítulo 13, versos 8 a 10:
"O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos; mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado."
W. E. Wine, em seu livro Expository Dictionary of New Testament Words, tem este pertinente comentário a respeito do dom das línguas:

"Não existe evidência da continuidade desse dom após o período apostólico ou mesmo no fim do período apostólico; isso oferece confirmação do cumprimento de 1 Coríntios 13:8, que esse dom cessaria nas igrejas, exatamente como as "profecias" e "conhecimento" no sentido de conhecimento recebido por poder sobrenatural imediato. A finalização das Sagradas Escrituras forneceu às igrejas tudo o que é necessário para a orientação, instrução e edificação individual e coletiva." [ênfase minha].

Uma vez que o cânon das Escrituras do Novo Testamento ficou completo, as instruções de Deus para seu povo ficaram em forma escrita e a pregação verdadeiramente inspirada, bem como o ensino e interpretação da vontade e propósito divino cessaram. Lembre-se que a palavra "inspirada" em termos espirituais significa "Deus soprou" (no grego é theopneustos) e refere-se somente àquilo que o próprio Deus fez ser dito nas igrejas primitivas e colocou nas Escrituras do Antigo e do Novo Testamento. O livro do Apocalipse põe a tampa sobre tudo e o próprio Senhor Jesus Cristo nos diz em 22:18-19 que não devemos acrescentar nem remover de sua palavra e Deuteronômio 4:2 faz a mesma solene advertência no Antigo Testamento. Assim, quando qualquer pregador afirma que sua pregação é divinamente inspirada e que pode fornecer informações proféticas que não estão contidas na Bíblia, suas próprias palavras o condenam, pois está tentando fazer acréscimos àquilo que já está completo e perfeito.

As formigas já estão alvoroçadas?

Apenas para o bem do argumento, vamos supor que eu esteja errado sobre a interpretação desse assunto. Vamos supor que as línguas ainda estejam em existência e sejam perfeitamente legítimas. Quais serão as ramificações nesse caso? Primeiro de tudo, seria o fato que as línguas eram somente um dos vários "sinais" dados para autenticar a mensagem do evangelho diante de um mundo ignorante e analfabeto. Outros incluiriam a operação de milagres — incluindo a cura dos enfermos e a ressurreição dos mortos. Expelir demônios também seria um bom exemplo. Quando examinamos cuidadosamente a evidência dada nas Escrituras, descobrimos que nem um dos vários milagres narrados foram questionados nem mesmo pelo inimigo mais beligerante! Os fariseus cometeram um erro grave ao atribuir os milagres de Cristo a Belzebu (Mateus 12:24), mas não negaram os milagres em si. Em Atos 4:16, o Sinédrio admitiu que não podia negar o fato que o homem paralítico tinha sido curado!

À medida que os discípulos de Cristo se espalharam pelas nações naqueles dias primitivos, seus milagres foram desprezados, mas nunca questionados com sucesso. Milagres do mesmo tipo e magnitude estão sendo operados hoje? Operados de uma forma tal que ninguém possa questioná-los? Quando foi a última vez que você viu pessoalmente um irmão em Cristo simplesmente tocar em um cego e restaurar a visão dele sem qualquer questionamento, ou melhor ainda, ressuscitar um morto? Tenho sido um filho de Deus praticamente toda a minha vida e já tive comunhão com milhares de outros irmãos em meus mais de 62 anos de idade, mas ainda não vi isso, muito menos ouvi que tivesse sido feito de tal maneira a causar agitação entre os não salvos! Os "dons de sinais" eram para o propósito expresso de abalar os incrédulos no fundo de seu ser, de forma que eles não pudessem negar. Deixe-me perguntar isto: você pode se lembrar de alguma situação na Palavra de Deus em que essa magnitude de milagre foi alguma vez realizada no meio dos irmãos, durante uma de suas reuniões? A ressurreição de Êutico em Atos 20:9 é o único caso em que posso lembrar que chega perto disso. Não, os milagres eram geralmente realizados diante de grande multidão de pessoas perdidas, de modo a maximizar o efeito — como o senso comum diz que eles deveriam fazer.

Alguém, em algum lugar hoje — de um modo que possa ser provado sem quaisquer dúvidas — pregou para estrangeiros não convertidos na própria língua deles, de modo que eles ficassem estupefatos com a capacidade do indivíduo de fazer isso? Se o poder pentecostal ainda está ativo, por que não? Esses milagres não deveriam ser lugares-comuns e causar grande admiração entre os incrédulos? Além disso, se o dom das línguas ainda está ativo, a pessoa que tem esse dom poderia pregar na presença de lingüistas e convencê-los da autenticidade da linguagem. Lembre-se que o espírito dos profetas está sujeito aos próprios profetas. Ah, ocasionalmente recebemos mensagens de correio eletrônico de pessoas que insistem que até os mortos estão ressuscitando hoje, mas onde está a evidência indisputável disso? Receio que tal "fé" seja completamente falsa e que esteja fazendo mais mal do que bem.

Finalmente, chegamos ao aspecto mais incômodo de toda a área deste assunto — uma caixa cheia de formigas lava-pés, que honestamente estou relutante em abrir, mas sinto que é algo que precisa ser feito. Como não há um modo suave de fazer isso, tenho de ser bem direto. Se você fala em línguas e/ou recebe vários tipos de mensagens de Deus, como está absolutamente certo de que elas são genuínas? Tanto quanto eu saiba, existe somente um método bíblico, que encontra-se em 1 João 4:1-4, que diz de forma bem clara:

"Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. Nisto conhecereis o Espírito de Deus: Todo o espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; E todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já está no mundo. Filhinhos, sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo."

Observe que o verso 1 é na verdade uma ordem para testar e deve ser reconhecido pelo povo de Deus como uma advertência legítima que os espíritos demoníacos podem nos enganar. O engano não é apenas possível, mas certo, pois é a maior arma de Satanás contra a humanidade. É por isto que somos advertidos em todo o Novo Testamento a ficar de guarda contra a enganação. Em Mateus 24:24, o Senhor nos diz que durante o Período da Tribulação, a enganação será tão grande que os próprios eleitos serão tentados por ela. Portanto, aos nos aproximarmos do fim dos tempos, precisamos compreender que a enganação espiritual é um fato da vida diária para todos os filhos de Deus e que precisamos tomar cuidado para não sermos uma das suas vítimas.

Você já teve seu(s) espírito(s) testado(s) pelo método bíblico?

Enquanto estiver sob o poder do espírito — na presença de um grupo de irmãos piedosos e consagrados — alguém questionou o "espírito das línguas", ou "o espírito da profecia", etc. e exigiu que ele confessasse que Jesus Cristo é o Senhor e que veio em carne? Amados, se o Espírito Santo é quem está por trás desse dom em particular em questão, podemos ter a certeza que a confissão será feita porque caso contrário, Deus não nos instruiria a testar. Se a confissão não for feita, o espírito é falso e precisa ser tratado da forma apropriada. Além disso, uma total honestidade por parte da pessoa que está manifestando o dom é, obviamente, de fundamental importância — a confissão precisa ser feita pelo espírito, e não pela pessoa.

Aqui na Cutting Edge, estamos cientes da enganação demoníaca que está ocorrendo entre os irmãos em muitas diferentes áreas da vida, não apenas entre os carismáticos. Toda denominação e seita do cristianismo está infestada com joio. A apostasia está desmedida e nosso objetivo não é entrar em uma disputa sobre quem está certo e quem está errado com relação à doutrina. Estamos tentando "manejar bem a palavra da verdade" (2 Timóteo 2:15) e atuar como um atalaia posicionado no alto da muralha. Que Deus o abençoe à medida que você procurar servi-lo da melhor maneira possível.

Ativistas homossexuais vandalizam igreja afiliada à Mars Hill, do pastor Mark Driscoll


Por Bruno Alves

A igreja Mars Hill de Portland, nos Estados Unidos, afiliada à igreja do polêmico pastor Mark Driscoll de Seattle, foi atacada no dia 24 de abril, onde vitrais e janelas foram destruídas, segundo um post do pastor Tim Smith. O grupo homossexual ativista autodenominado “Angry Queers” (o equivalente à “Gays Irados”) estaria assumindo a responsabilidade do ataque.

“Vizinhos da igreja relataram ter visto vários jovens com máscaras negras jogando grandes pedras em janelas”, disse uma nota de imprensa da igreja. ”A polícia afirmou que um banco na área também foi vandalizado da mesma forma e que eles acreditam que o vandalismo foi planejado antes do tempo, provavelmente por um grupo ativista”.

Segundo o Religion News, a igreja Mars Hill de Portland abriu em outubro de 2011 e durante o primeiro culto, manifestantes se reuniram em frente à igreja para gritar obscenidades contra os fiéis. A igreja Mars Hill foi fundada há 15 anos pelo pastor Mark Driscoll, e prega abertamente contra a homossexualidade.

Em seu post, o pastor encorajou os membros da igreja, dizendo: “A boa notícia é que nossa igreja está em um grande começo”, escreveu ele. ”Pilhas de vidro quebrado não muda nada para nós”.

Fonte: Gospel+

03/05/2012

Rabino afirma que “Jesus e judeus são irmanados na mesma história de predestinação”





Por Dan Martins 



O rabino e escritor Nilton Bonder vai ministrar durante o mês de maio em São Paulo um curso intitulado “Jesus – Um Olhar Judaico”. O evento acontecerá entre os dias 22 e 29 de maio e 5 de junho no Centro de Cultura Judaica. De acordo com o Valor Econômico, o curso, que no último mês aconteceu na Midrash Centro Cultural do Rio, tem como objetivo apresentar uma visão judaica da pessoa histórica de Jesus.

“Quisemos revisitar essa questão por acreditar que há maior tolerância e maturidade nas relações entre as religiões. Toda vez que um tabu é abordado, favorece o entendimento e dissipa tensões e forças ocultas que alimentam desconfiança e estranhamento”, explica o rabino, que concedeu uma entrevista ao Valor Econômico falando sobre o curso e alguns de seus livros.

Afirmando que Jesus é parte da história judaica, Bonder explica que Jesus se transformou num tabu para os judeus, e que um dos motivos para isso são as “perseguições e também tentativas de conversão forçada dos judeus no passado”.

Quando perguntado sobre a percepção de que a figura de Jesus é desprezada pela tradição judaica, o rabino afirmou que existem dois “Jesus” na interpretação judaica, sendo que “o primeiro era um personagem típico da escola profética judaica – reverenciado por um grupo e motivo de chacota de outro” enquanto o segundo “é um personagem mítico, conhecido como o símbolo máximo da religião que persegue os judeus e que deseja sua conversão mesmo que forçada. Um personagem que legitimava ‘judiar’ dos judeus como eles haviam ‘judiado’ de Jesus”. Ele afirmou ainda que a imagem que prevalece é essa de desconfiança e temor.

Bonder afirmou ainda que nas pregações cristãs os judeus recebem uma caracterização violenta, equiparando-os a todas as formas de poder e opressão”, e que estudos como o dele “visam apresentar aos judeus um Jesus que não é responsável pelo sofrimento dos judeus nos últimos 18 séculos, ao contrário, como um modelo do que seria feito aos judeus no decorrer da História”.

Bonder encerra a entrevista falando sobre a tradição cristã da ressurreição de Jesus. Afirmando que a visão cristã da ressureição é “um dar com os ombros para a realidade”, o rabino disse que “a ressurreição é uma bela metáfora para dizer que o Deus da realidade não sacrifica o seu filho, tal como não havia sacrificado o filho de Abraão”. “Eu não desgosto disso. Na verdade Moisés também não entra na Terra, como Jesus não estabelece essa nova Terra”, ressaltou.

Leia a entrevista na íntegra:

Valor: Qual o significado de Jesus para os judeus?

Nilton Bonder: Jesus se transformou num tabu para os judeus. Por um lado ele toca numa ferida milenar, gerando temor; por outro sugere algo proibido, suspeito de promover o proselitismo sobre os judeus. Há muita razão para estes dois sentimentos: perseguições e também tentativas de conversão forçada dos judeus no passado. Mas a história de Jesus é parte da história judaica e nos ajuda a compreender o período rico e complexo do primeiro século, que não apenas produziu o universo cristão, mas também forjou a tradição rabínica enraizada nos mesmos eventos espírito-psico-políticos desse período.

Valor: Existe uma percepção de que a figura de Jesus é desprezada pela tradição judaica, como um lunático que disse coisas absurdas, como por exemplo, “eu e o Pai somos um”. Essa percepção é correta?

Bonder: Existem dois “Jesus” para os judeus. O primeiro era um personagem típico da escola profética judaica – reverenciado por um grupo e motivo de chacota de outro. Profetas eram idiossincráticos e não era incomum que fossem tratados como utópicos, sem senso de realidade ou até mesmo pela palavra “meshuga” – lunático. Quando eram inofensivos à estabilidade social eram tolerados, mesmo quando questionavam os interesses de grupos privilegiados. Mas aqueles eram tempos de grande instabilidade política, que se traduzia pela conotação apocalíptica das sublevações ao domínio romano sobre os judeus, e que obrigava a elite política e clerical a “pisar em ovos” na tentativa de resguardar suas regalias e prerrogativas junto ao invasor. Nesse contexto, Jesus é um profeta em tempos muito perversos e ele participa da fragmentação de um povo que só não estava em guerra civil porque tinha um inimigo em comum – o invasor romano.

Valor: Ele despertava sentimentos contraditórios.

Bonder: O lado desafiador de Jesus era visto por seus seguidores como algo grandioso na compreensão de seu simbolismo para além da vida e do momento político; para outros, eram atos ensandecidos que não levariam a nada diferente do que sua execução, como outros tantos já haviam experimentado da pouca tolerância romana a sublevações. As lideranças político-religiosas dos judeus não sabiam o que fazer com Jesus, como também não sabiam o que fazer com outras tantas formas de inconformismo dos judeus, de Zelotas a Essênios, que não mediam consequências para acabar com a dominação romana e que levariam à destruição de Jerusalém e a devastação de sua nação. É um Jesus que tem implicações políticas e que desafia o status quo do momento. É a liderança judaica que o entrega para que seja executado por Roma. Mas os judeus como grupo ou etnia não são os executores de Jesus, assim como quem mata Vladimir Herzog não são os brasileiros. Quando, séculos depois, o cristianismo se estabelece como religião em outra parte do mundo, então os judeus aparecem como um personagem hegemônico responsável pelo sofrimento vivido por Jesus.

Valor: E quanto ao segundo Jesus, que significado ele tem?

Bonder: É um personagem mítico, conhecido como o símbolo máximo da religião que persegue os judeus e que deseja sua conversão mesmo que forçada. Um personagem que legitimava “judiar” dos judeus como eles haviam “judiado” de Jesus. A cruz, símbolo da fé cristã, passa a ser vista como um símbolo de temor e opressão. A inquisição é o ápice desse processo. E os judeus se tornam sarcásticos do mundo redimido e amoroso que Jesus teria deixado como legado, já que experimentavam tanta violência em seu nome.

Valor: Qual é a imagem que prevalece?

Bonder: A que ainda prevalece é essa de desconfiança e temor. Verdade que há um processo de mudança, e isso se deve ao esforço do diálogo e também a passos importantes dados pela Igreja nas últimas décadas. Infelizmente, no entanto, se você fizer o dever de casa e ouvir muitas pregações nas igrejas, por exemplo, no período da Páscoa, vai ficar impressionado com a caracterização violenta que é feita dos judeus, equiparando-os a todas as formas de poder e opressão. Os judeus são reacionários, representam o interesse dos ricos e dos hipócritas e de todos aqueles que querem obstaculizar o Reino dos Céus. Enfim, fariseus, no sentido derrogatório da palavra. Estudos como este que estamos promovendo, visam apresentar aos judeus um Jesus que não é responsável pelo sofrimento dos judeus nos últimos 18 séculos, ao contrário, como um modelo do que seria feito aos judeus no decorrer da História. Em algum lugar os judeus se fazem o Jesus da História, proféticos e desafiadores em sua existência e inúmeras vezes crucificados por estes crimes. Isso a tal ponto que leva artistas do século passado, entre eles Chagall, a representarem os judeus na cruz como uma imagem da realidade judaica dos pogroms e genocídios que experimentavam.

Valor: Qual é o lugar que o senhor reserva para Jesus Cristo?

Bonder: Acredito que há outro lugar para Jesus na história judaica. Há dois anos num Iom Kipur, Dia do Perdão no judaísmo, em dado momento, quando lemos um trecho em homenagem aos mártires judeus que morreram no período romano, coloquei entre estes rabinos o nome de Jesus, Yoshua bem Yossef, Jesus filho de José. Acho que este é o seu lugar no judaísmo, entre rabinos mártires desse período.

Valor: No livro “A Alma Imoral”, o senhor passa a impressão de nutrir por Jesus uma grande simpatia, talvez pela relevância das “transgressões” propostas por ele, que constantemente desafiava a lei do “corpo” e incitava as pessoas a repensarem a rigidez da Lei mosaica para dar lugar a uma visão mais humana de religiosidade. Como concilia essa aparente simpatia pelo transgressor, com suas declarações contundentes de que era o Cristo, e que cumpria as profecias anunciadas pelos grandes profetas como Isaías?

Bonder: Parte da magia da história de Jesus está neste paradigma de desafio à ordem moral, revelando sua hipocrisia e seu discurso dissimulado para preservar privilégios. A Igreja tantas vezes na Idade Média e em outros momentos redimiu o Sinédrio porque demonstrou a mesma intolerância para lidar com desafios a sua autoridade e interesses. Todos os sistemas e sociedades crucificam para impedir movimentos revolucionários e libertários. Jesus se revestia da linguagem e simbologia judaica tanto na alusão messiânica como na denúncia profética. E os judeus, com certeza, queriam um redentor do jugo romano que restabelecesse a “pureza” do Templo e promovesse um futuro digno à nação. Mas, como determinar se alguém é um profeta ou um messias verdadeiro senão pela plausibilidade de seu projeto? Os judeus que não se alinharam a ele o viam como por demais desafiador, abrindo espaço para um potencial massacre em represália romana. Percebiam na ênfase em curandeirismo e milagres um possível elemento popular e supersticioso que o desqualificava como um profeta clássico judaico, onde a lei e a ética promoveriam a redenção. Enfim, dramático para aquele povo num momento tão “crucial” acolher ou não a proposta de se enveredar por caminhos aventureiros. Tratava-se de vida ou morte, sobrevivência ou extinção. Seria interessante ver em nosso mundo atual quantas instituições e indivíduos que subscrevem no âmbito da fé a essa escolha, subscreveriam como um ato político, como sendo essa sua escolha para lidar com a realidade. É esse o lugar histórico e político que Jesus ocupa para os judeus. Ele não é uma poética da fé, mas verdadeiramente uma opção de luta e resistência: mudar gradualmente e aguardar momentos mais propícios, ou ir às ruas anunciar a chegada do momento, afinal quem “sabe faz a hora e não espera acontecer!”. Enfim, não era uma escolha entre o santo e o ladrão, mas pender para o que lhes parecia plausível ou inexequível.

Valor: Não seria razoável imaginar que alguém que falasse as coisas que Jesus Cristo falou a respeito de si mesmo se tratasse de um impostor desequilibrado?

Bonder: Numa ficção muito bem escrita e de fascinante reconstituição de época, Gerald Heard, historiador e filósofo, escreve o que seria o Evangelho Segundo o Rabino Gamliel. Gamliel era membro do Sinédrio e teria sido o mestre de Saul de Tarso, Paulo, fundador da Igreja juntamente com Pedro. Neto do ancião Hilel que representava uma ala mais liberal e leniente entre os sábios, que teria respondido ao desafio de reduzir a Torá a uma única lei dizendo: “ama teu próximo como a ti mesmo… o resto é comentário!”. Nessa ficção este personagem, que seria política e espiritualmente tão próximo de Jesus, tenta desvendar se o espírito profético se encontra nesse jovem. É um texto muito bonito porque pondera não tanto esse lugar maligno de desqualificá-lo como impostor ou desequilibrado, mas se havia nele algo de jovial e ingênuo, mistura de santidade e carisma com inexperiência e utopia. Talvez essa seja a frase pronunciada na cruz, a certeza de uma causa, mas, ao mesmo tempo, a surpresa da crueldade do mundo. Justamente é essa passionalidade que torna essa paixão tão potente, o quanto teria ela de juvenil ou quanto teria de messiânica. Aí a riqueza ambígua deste mito e cada um tem que decidir por si mesmo. Lançar-se à fé ou se resguardar na leitura da realidade? Mas os judeus não podem ser caracterizados como um dos lados desse dilema, ou seja, como aqueles que não se lançam à fé. Essa história só tinha judeus – uns que se lançavam à fé e outros que se norteavam pelo que criam ser a realidade. Nada diferente do que teríamos hoje entre cristãos ou qualquer outro grupo. Um dilema eterno até que a sociedade encontre justiça e harmonia. Talvez um dilema pendular, que conhecemos bem no século passado quando a utopia da esquerda convocava o Reino dos Céus aqui e agora, enquanto nas últimas décadas vemos um mundo tendendo para a espera do tempo e validando o status quo da realidade rebatizada de mercado. Os judeus (e acredito todos os grupos) estavam e estão presentes em ambas as buscas.

Valor: Garry Wills, no livro “O que Jesus quis dizer”, afirma que a tradição católica costuma apresentar a imagem de um Jesus muito mais “bonzinho” do que era, com ações muito mais ásperas e em algumas ocasiões cheias de ira e indignação – algo que aparentemente não combina com a imagem de um Salvador. Como vê essas observações?

Bonder: Para o judaísmo só existem seres humanos e nenhuma gradação entre o divino e o humano. Por isso, mesmo os justos, os profetas e mestres, sempre demonstrarão fraquezas e deslizes, não adquirindo características de infalibilidade. Assim era com os patriarcas e matriarcas bíblicos e assim foi com Moisés. O simbolismo é o de um líder, mesmo sendo ele único e distinguido, que em dado momento revela sua humanidade por via da impaciência e da indignação. Minha leitura pessoal e que me faz ainda mais admirar o Jesus histórico é justamente por conta dessa visão divina que perpassa o humano, mas que se depara com a rudeza e com o grosseiro da realidade. A medida que se projeta a pureza plena desse olhar para a vida ela se prova mortal para Jesus e reverte a ele com uma irritação, aspereza e, por vezes, apatia diante do que se desdobra como realidade. Claro, a tradição cristã resgata isso com a ressurreição e com um dar com os ombros para a realidade. E eu não desgosto disso. Na verdade Moisés também não entra na Terra, como Jesus não estabelece essa nova Terra. E a ressurreição é uma bela metáfora para dizer que o Deus da realidade não sacrifica o seu filho, tal como não havia sacrificado o filho de Abraão. Metáforas para guardarmos nossa esperança de que se não podemos anular o que se apresenta como real não temos por que crer que nossa percepção abarca todo o mistério da vida.

Vaticano teria recebido mais de R$ 1 milhão para enterrar mafioso em basílica!




Com informações O Globo -


Uma fonte da Santa Sé revelou para a agência de notícias italiana Ansa que o Vaticano teria recebido cerca de um bilhão de libras(mais de R$ 1,245 milhão), a antiga moeda italiana, da viúva de Enrico De Pedis para que o corpo de seu marido fosse enterrado em uma basílica a 22 anos atrás.

Essa testemunha garante que o então vigário-geral de Roma, o cardeal Ugo Poletti, acabou aceitando a proposta e deu seu aval para que o mafioso italiano fosse sepultado ao lado de antigos papas.

Ele teria usado esse dinheiro para missões e para a restauração da Basílica de São Apolinário, onde De Pedis fora enterrado. O Vaticano ainda não comentou essas novas informações.
Eurico De Pedis foi assassinado em 1990 e até hoje o caso não foi solucionado. “Há pessoas que ainda estão vivas, e ainda estão dentro do Vaticano, que sabem a verdade”, disse o procurador Giancarlo Capaldo.

A história é longa e traz outro assassinado, o de Emanuela Orlandi, que morreu em 1983, aos 15 anos. Ela era filha de um funcionário do Vaticano que supostamente tinha provas que ligava o Banco do Vaticano, Istituo per le Opere di Religione, ao crime organizado. Ao que parece De Pedis teria organizado o sequestro que terminou na execução da jovem.
O irmão de Emanuela, Pietro Orlandi, pede para o túmulo do criminoso seja aberto para que se comprove, ou não, que os restos mortais de sua irmã foram sepultados ao lado do corpo de seu assassino.

Diante das especulações, o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, negou as acusações e se comprometeu a ajudar nas investigações. “Parece que nada foi escondido e não há segredos do Vaticano a serem revelados”, disse ele.




Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/vaticano-teria-recebido-mais-de-r-1-milhao-para-enterrar-mafioso-em-basilica/#ixzz1tpEzm3RD

02/05/2012

Uma Defesa do Calvinismo!





Pr. Charles Haddon Spurgeon - 


Tradução: Walter Andrade Campelo -

É uma grande coisa já começar a vida Cristã crendo em boa e sólida doutrina. Algumas pessoas têm recebido vinte diferentes "evangelhos" neste mesmo número de anos; e quantos mais irão aceitar antes que sua jornada termine é difícil de dizer. Dou graças a Deus por Ele logo cedo ter me ensinado o evangelho, e tenho estado tão perfeitamente satisfeito com ele, que não quero conhecer nenhum outro.

Porque, se eu cresse no que alguns pregam sobre uma salvação temporária, e sem importância, que somente dura por um tempo, eu raramente seria grato por ela, se é que seria; mas quando sei que aqueles que Deus salva, Ele os salva com uma salvação eterna, quando sei que Ele lhes dá uma justiça eterna, quando eu sei que Ele os assenta em uma fundação eterna de amor eterno, e que Ele os trará ao Seu reino eterno, oh, então me admiro, e me surpreendo pelo fato de uma bênção tal como esta tenha, em algum momento, sido dada a mim!

Suponho que haja algumas pessoas cujas mentes naturalmente se inclinam em direção à doutrina do livre-arbítrio. Eu posso somente dizer que a minha se inclina naturalmente em direção à doutrina da graça soberana. Algumas vezes, quando vejo algumas das piores personalidades na rua, eu sinto como se meu coração devesse jorrar em lágrimas de gratidão, porque se Deus me tivesse deixado só e não me tivesse tocado por Sua graça, que grande pecador eu teria sido! Eu teria ido aos extremos do pecado, mergulhado nas maiores profundezas do mal, também não teria reprimido qualquer vício ou loucura se Deus não me tivesse restringido. Eu sinto que eu teria sido o próprio rei dos pecadores, se Deus me tivesse deixado só.

Eu não consigo entender a razão pela qual sou salvo, exceto sobre a base de que Deus queria que isto fosse assim. Eu não posso, se olhar sinceramente, descobrir qualquer tipo de razão em mim mesmo pela qual eu deva ser um participante da graça Divina. Se não estou neste momento sem Cristo, é somente porque Cristo Jesus tem Sua vontade para comigo, e que esta vontade é que eu deveria estar com Ele onde Ele estiver, e que deveria partilhar da Sua glória. Não posso por a coroa em nenhum outro lugar exceto sobre a cabeça Daquele cuja poderosa graça tem me salvado de seguir abaixo para o abismo. Foi Ele que transformou meu coração, e me colocou de joelhos diante de Si.

Posso bem me lembrar da maneira pela qual eu aprendi as doutrinas da graça em um único instante. Nascido, como todos nós somos por natureza, um arminiano, ainda cria nas velhas coisas que tinha ouvido continuamente do púlpito, e não via a graça de Deus. Quando estava vindo a Cristo, pensei estar fazendo aquilo tudo por mim mesmo, e ainda que buscasse o Senhor sinceramente, não tinha idéia de que o Senhor estava me buscando. Não penso que o novo convertido esteja, a princípio, consciente disto. Eu posso relembrar o dia e a hora exatos em que pela primeira vez recebi aquelas verdades em minha própria alma, quando elas foram, como diz John Bunyan, gravadas em meu coração como com um ferro em brasa; e eu posso recompor como me senti quando cresci repentinamente de um bebê para um homem que havia feito progressos no conhecimento das Escrituras, por ter encontrado, de uma vez por todas, a chave para a verdade de Deus.

Em uma noite de um dia de semana, quando estava sentado na casa de Deus, não estava pensando muito sobre o sermão do pregador, porque não cria nele. Um pensamento me tocou: "Como você veio a ser um Cristão?" Eu vi o Senhor. "Mas como você veio a buscar o Senhor?" A verdade lampejou por minha mente em um momento, eu não poderia tê-lo buscado a menos que tivesse havido alguma influência prévia em minha mente para me fazer buscá-Lo. Eu orei, pensei eu, mas quando perguntei a mim mesmo, como eu vim a orar? Fui induzido a orar pela leitura das Escrituras. Como eu vim a ler as Escrituras? Eu as havia lido, mas o que me levou a assim proceder? Então em um instante, eu vi que Deus estava na base disto tudo, e que Ele foi o Autor da minha fé, e assim toda a doutrina da graça se tornou acessível a mim, e desta doutrina eu não me afastei até hoje, e desejo fazer desta, a minha confissão perpétua: "Eu atribuo minha conversão inteiramente a Deus".

Certa vez compareci a um culto aonde o texto veio a ser: "[Ele] escolherá para nós a nossa herança"1 e o bom homem que ocupou o púlpito era mais do que apenas um pouco arminiano. Por esta razão, quando começou, ele disse: "Esta passagem se refere inteiramente à nossa herança temporal, não tem nada a ver com nosso destino eterno, porque", disse ele, "nós não queremos que Cristo faça por nós a escolha do Céu ou do inferno. Isto é tão claro e direto, que cada homem que tenha um grão de senso comum irá escolher o Céu, e nenhuma pessoa será tão desajuizada que escolha o inferno. Não temos qualquer necessidade de alguma inteligência superior, ou de qualquer grande Ser, para escolher Céu ou inferno por nós. Isto é deixado para o nosso próprio livre-arbítrio, e temos bastante sabedoria dando-nos meios suficientemente corretos para julgar por nós mesmos," e, portanto, como ele muito logicamente inferiu, não há necessidade de Jesus Cristo, ou de qualquer outro, fazer a escolha por nós. Nós podemos escolher a herança por nós mesmos sem qualquer assistência. "Ah!" eu pensei, "mas, meu bom irmão, pode ser mesmo verdade que nós podemos, mas penso que precisamos querer algo mais que o senso comum antes que possamos escolher corretamente".

Primeiro, deixe-me perguntar, não devemos todos nós admitir uma soberana Providência, e a designação da mão do SENHOR, como os meios através dos quais nós viemos a este mundo? Aqueles homens que pensam que, depois de tudo, nós somos deixados ao nosso próprio livre-arbítrio para escolher este ou aquele para direcionar os nossos passos, deve admitir que nossa entrada neste mundo não aconteceu por nossa própria vontade, mas que Deus teve, naquela hora, que escolher por nós. Que circunstâncias foram aquelas, sob de nosso controle, que nos direcionaram a eleger certas pessoas como sendo nossos pais? Tivemos nós alguma coisa a ver com isto? Não foi o próprio Deus que determinou nossos pais, nosso local de nascimento, e amigos?

John Newton costumava contar uma parábola sobre uma boa mulher que, de modo a provar a doutrina da eleição, dizia: "Ah! meu caro, o Senhor deve ter me amado antes de eu nascer, ou caso contrário Ele não teria visto nada em mim para amar depois". Estou certo que é verdade no meu caso; Eu creio na doutrina da eleição, porque estou bem certo que, se Deus não me tivesse escolhido, eu nunca O teria escolhido; e tenho certeza que Ele me escolheu antes de eu nascer, ou caso contrário Ele nunca teria me escolhido depois; e Ele deve ter me eleito por razões desconhecidas por mim, porque eu nunca pude encontrar qualquer razão em mim mesmo pela qual Ele devesse me olhar com especial amor.

Se seria admirável ver um rio brotar da terra já crescido, tanto mais seria olhar pasmado para uma vasta fonte da qual todos os rios da terra saíssem borbulhando de uma só vez; um milhão deles nascendo em um só nascimento? Que visão haveria de ser! Quem pode concebê-la. E ainda assim o amor de Deus é aquela fonte, formando cada um dos rios de misericórdia, os quais têm sempre satisfeito nosso povo com todos os rios de graça durante o tempo, e de glória depois de subirem. Minh'alma, permaneça naquele manancial sagrado, e adore e exalte para todo o sempre a Deus, nosso Pai, que tem nos amado! Bem no início, quando este grande universo estava na mente de Deus, como florestas não nascidas na semente do carvalho; muito antes que os ecos acordassem os ermos; antes que as montanhas fossem geradas; e muito antes que a luz rompesse pelo céu, Deus amou estas criaturas escolhidas. Antes que houvesse qualquer ser criado, quando o éter ainda não havia sido agitado pelas asas do anjos, quando o próprio espaço ainda não tinha existência, quando não havia nada exceto Deus somente, mesmo então, naquela solidão de Deidade, e naquela penetrante quietude e profundidade, Seu coração se moveu com amor por seus escolhidos. Seus nomes estavam escritos em Seu coração, e então eram eles queridos de Sua alma. Jesus amou Seu povo antes da fundação do mundo, mesmo da eternidade! E quando Ele me chamou por Sua graça, me disse: "Porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí"2.

Se qualquer um me perguntasse o que eu entendo por um Calvinista, eu responderia: "Ele é alguém que diz: Salvação do Senhor". Eu não consigo encontrar nas Escrituras nenhuma outra doutrina além desta. É a essência da Bíblia. "Só ele é a minha rocha e a minha salvação"3. Me diga qualquer coisa contrária a esta verdade, e será uma heresia; diga-me uma heresia, e eu acharei sua essência aqui: que ela se afastou desta grande, desta fundamental, desta firme verdade, "Deus é minha rocha e minha salvação".

Qual é a heresia de Roma, além da adição de algo aos perfeitos méritos de Jesus Cristo, o acréscimo de obras da carne, para auxiliar em nossa justificação? E qual é a heresia do arminianismo além de adicionar algo à obra do Redentor? Cada heresia, se trazida à pedra de toque, irá se descobrir aqui.

Eu tenho minha própria opinião particular de que não há tal coisa como pregar Cristo e Ele crucificado, a menos que nós preguemos que nos dias de hoje isto é chamado de Calvinismo. É um apelido chamar a isto de Calvinismo; o Calvinismo é o evangelho, e nada mais. Eu não creio que podemos pregar o evangelho, se não pregarmos a justificação pela fé, sem obras; nem sem pregarmos a soberania de Deus e Sua dispensação de graça; nem sem exaltarmos a eleição, pelo inalterável, eterno, imutável, conquistador amor do SENHOR; nem penso que podemos pregar o evangelho, a menos que o baseemos sobre a especial e particular redenção de Seu povo eleito e escolhido o qual Cristo formou sobre a cruz; nem posso eu compreender um evangelho que deixa santos decaírem após serem chamados, e sujeitar os filhos de Deus a serem queimados no fogo da condenação após terem uma vez crido em Jesus. Tal evangelho eu abomino.

Não há alma viva que defenda mais firmemente as doutrinas da graça que eu, e se algum homem me pergunta se porventura me envergonho de ser chamado Calvinista, respondo que eu não quero ser chamado de nada além de Cristão; mas se você me perguntar, eu defendo a visão doutrinária que foi defendida por João Calvino, eu replico, estou no centro de sua defesa, e estou feliz por professá-la.

Mas, longe de mim, sequer imaginar que Sião não contém nada além de Cristãos Calvinistas dentro de seus muros, ou que não há ninguém salvo que não defenda nossa visão. Creio que há multidões de homens que não conseguem ver estas verdades, ou, pelo menos, não conseguem vê-las do modo em que nós as colocamos, mas que não obstante, têm recebido a Cristo como seu Salvador, e são tão queridos do coração do Deus de graça como o mais ruidoso Calvinista dentro ou fora do Céu.

Frequentemente é dito que estas doutrinas nas quais nós cremos têm uma tendência de nos levar ao pecado. Eu tenho ouvido isto ser declarado muito positivamente: que aquelas grandes doutrinas que amamos, e que encontramos nas Escrituras, são licenciosas. Não sei quem terá a audácia de fazer esta afirmação, quando considerar que os mais santos dentre os homens têm crido nelas. Pergunto ao homem que se atreve a dizer que o Calvinismo é uma religião licenciosa, o que ele pensa do caráter de Agostinho, ou de Calvino, ou de Whitefield, que em sucessivas eras foram grandes expoentes do sistema da graça; ou o que diria dos Puritanos, cujas obras estão cheias delas? Se um homem tivesse sido um Arminiano naqueles dias, teria sido considerado o mais vil herege vivente, mas agora nós somos vistos como hereges, e eles como ortodoxos.

Nós temos retornado à velha escola; nós podemos traçar nossa linhagem desde os apóstolos. É aquele veio de livre-graça, correndo através da pregação de Batistas, os quais nos têm salvado como denominação. Não é por isto que nós não podemos permanecer onde estamos hoje. Nós podemos correr uma linha dourada até o próprio Jesus Cristo, através de uma santa sucessão de vigorosos pais, todos os quais defenderam estas gloriosas verdades; e podemos perguntar a seu respeito: "Onde você encontraria homens melhores e mais consagrados no mundo?". Nenhuma doutrina é tão planejada para preservar o homem do pecado quanto a doutrina da graça de Deus. Aqueles que a têm chamado de "doutrina licenciosa" não sabem nada a seu respeito. Coisas pobres da ignorância, eles mal souberam que seu próprio material ruim foi a mais licenciosa doutrina sob o céu. Se eles conhecessem a graça de Deus em verdade, eles logo iriam ver que não houve nada que preservasse mais da queda que o conhecimento de que somos eleitos de Deus desde a fundação do mundo. Não há nada como a crença na perseverança eterna, e na imutabilidade da afeição de meu Pai, que possa me manter mais perto Dele, pela simples razão da gratidão. Nada faz um homem mais virtuoso que a crença na verdade. Uma mentira doutrinária irá logo produzir uma prática mentirosa. Um homem não pode ter uma crença errada sem em algum momento futuro ter uma vida errônea. Eu creio que uma coisa naturalmente leva à outra.

De todos os homens, os que têm a mais desinteressada piedade, a mais sublime reverência, a mais ardente devoção, são aqueles que crêem que são salvos pela graça, sem obras, através da fé, e não de si mesmos, a qual é dom de Deus.4

Os Cristãos devem ter cautela, e ver que isto sempre é assim, a fim de que por quaisquer meios Cristo não seja novamente crucificado, e exposto ao vitupério5.